Pular para o conteúdo principal

A arte da surpresa. Por: Cassi Tamandaré

Era apenas mais uma sombra em volta, mais uma voz ao fundo, mais sorrisos incômodos...
Talvez eu só não conseguisse entender e por isso ficava afastado, apenas pensando e pensando; Mas enquanto eu pensava, ela fazia... Ela se impôs, mostrou que sabia usar a voz para mostrar o que ela era, e o que era... Era alguém que mesmo sorrindo, mesmo estando tão longe de qualquer contato com o cara estranho, se sentia incomodada, talvez fosse da natureza dela fazer as pessoas sorrirem junto dela... Dias e dias, mais sorrisos e mais silencio, e como o mundo é um lugar engraçado... No dia em que eu mais estava vazio de qualquer coisa que chegasse perto da palavra “Felicidade”, ela veio em mim, com aquele olhar agressivo e um tom de voz levemente irritado com a minha presença... E então eu pensei: “Depois de tudo que eu passei... é isso que eu recebo no final? Uma garota que sequer sabe o sentido do sorriso que carrega, querendo julgar minha expressão inerte?!” Naquela hora, eu estava completamente morto por dentro (prova disso: eu em uma aula de espanhol as 08h40min da manhã de sexta), eu até cheguei a pensar que ela estava esperando um dia, em que eu estivesse de “guarda aberta” para poder me confrontar, ainda que sem motivo claro para isso... Dias e dias, noites e noites passaram, palavras foram ditas, palavras foram guardadas, e de repente nos vemos como antigos amigos, entendendo pensamentos ditos em gestos simples, vendo que os olhos já falavam mais do que nossas bocas, e mesmo que tudo parecesse tão superficial, alguma coisa era real e não estava só subentendido como tudo, aquele carinho que ela parecia ter para dar e vender, e o meu, que sempre escolhi a dedo a quem dar... Estávamos Sorrindo juntos, estávamos chorando junto (por dentro, é claro, não nos permitiríamos mostrar tristeza um ao outro). Passaram dias e noites, ficamos próximos, chegamos a pensar em dias ensolarados... E até teve um dia, onde chegamos a acreditar que nada era impossível para a gente, que chegamos até aquele ponto sem nunca fraquear, mas o mundo é um lugar engraçado, as coisas mudam (outras não); Mas o que importa, é que assim como em uma “Montanha Russa”, subimos lentamente com certa ansiedade, lá no topo, aquele frio na barriga, na primeira queda, aquele medo que te faz gritar, e depois novamente uma subida, e volta o sorriso no rosto, e na próxima queda, já não nos assustamos mais, apenas aceitamos, uma hora esse sobe e desce acaba, e no final, estaremos sorrindo, e quando saímos e logo pensamos “vamos outra vez” é porque no final, com tantos altos e baixos, teremos sempre alguém ao lado, para sorrir e para gritar...
Se flores de plástico não vivem, a lembrança do que foi perfeito, não morre.
O que tiramos disso tudo... Emoções, emoções... O que nos foi deixado, o que mais importa, a amizade.


#A amizade. Aí está um dos que me ajudou a levantar quando eu mais precisava e nem mesmo ele sabia (ou talvez soubesse, ele sempre sabe de tudo rs);Pois bem. Rsolvi colocar esse post aqui porque foi muito especial pra mim, e sei que em um dos momentos em que ele "mudar" de humor de novo talvez ele acabe com seus textos salvos em sites de internet. Porém esse não. Esse é especial. Esse foi pra mim. Esse é MEU! rs
Obrigada por me salvar... em alguns dos meus dias sombrios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Olhos líquidos - Um texto de Gabito Nunes

Eu não estou perguntando se você quer que eu fique. Estou dizendo que vou ficar e pronto. Certo, não precisa. Eu sei, você não precisa de nada e de ninguém, além de ficar sozinha. Vamos então encarar a coisa desta forma: a casa precisa de mim. Logo o chão estará coberto de lenços de papel, haverá sobras de chá de cidreira espalhadas por todo apartamento e o controle remoto da sua t
elevisão vai estar lambuzado de Nutella, especialmente a tecla que libera a dublagem de O Diário de Bridget Jones. Não vou deixar você fazer isso, nem transformar seu lar num cativeiro e tampouco você assistir essa lenga-lenga pela milésima vez, pela milésima vez por causa de um idiota, pela milésima em mau português.

Não esquenta, eu vim preparado, não vou precisar ir até em casa arrumar minhas coisas. Já está tudo comigo nesta mochila que eu organizei quando você me disse que estava saindo com aquele cretino. Sim, sim, eu já sabia da fama, apenas não quis cortar seu barato, você estava tão animadinha e mi…

"Aponta pra fé e rema."

Tudo o que faço é na esperança de um dia ver que tudo deu certo. Mesmo com muitas coisas dizendo que não, ignoro todas essas vozes e tenho feito a minha parte. Estou olhando pra coisas novas, coisas que me farão crescer. Estou com um novo horizonte, estou com um novo foco, com um novo objetivo. Estou tentando me encontrar, e aos poucos vejo que estou conseguindo. Está na hora de caminhar, está na hora de seguir sem medo. Deixei meus medos, tristezas e rancores para trás. Peguei minhas esperanças, sonhos e coragem, respirei fundo, apontei para o alvo e segui. Segui e continuo seguindo e o alvo agora é ser feliz.

"Ainda bem que sempre existe outro dia. E outros sonhos. E outros risos. E outras pessoas. E outras coisas." Clarice L.

Porque ninguém vai fazer por você o que você devia ter feito.

Curtam a página do blog no facebook (:

Eu escrevo pra você todos os dias, mas nunca acho que estão bons pra postar. Como sempre venho aqui e falo um pouco do que se passa dentro de mim. Na realidade, não ando muito satisfeita comigo, pois tem coisas que quero resolver e vejo que simplesmente ainda não posso, por que tudo exige tempo. Esperar, essa é uma palavra que realmente não gosto. Esperar faz sentir saudade, e também incapacidade de não poder resolver algo. Eu pensava que nesse ano, nessa mesma época eu estaria fazendo outros tipos de coisas, resolvendo muitas coisas na minha vida que agora vejo que não posso resolvê-las. Não estou triste, não mais como antes. Eu ainda tenho esperanças de que ainda vou conseguir resolver tudo que quero resolver, mas ainda não posso. Preciso ter paciência. É incrível como pra mim nada, nunca acontece de cara. Tudo, absolutamente tudo eu preciso esperar. Ou quando acontece o que eu quero, cinco minutos depois vejo que vi de uma maneira errada…