Pular para o conteúdo principal

'Onde não deveria ser tocado.

Lá estava ela novamente deitada olhando para o teto em meio aquela escuridão.
A hora já se avançava, enquanto ela revirava na cama pensando no que iria fazer, pensando nos seus objetivos... pensando em sua vida completamente planejada em sua mente. Era previsível.
Ela orgulhosa, se mantendo de cabeça em pé, sem pensar em fatos nos quais não deveriam ser pensados. Havia uma barreira para que não acontecesse.
Ela calculava tudo. Suas decisões, o que teria de fazer, dizer, onde deveria estar.
Tudo pensado. Tudo previsível. tudo monótono.
Horas e horas pensando nas coisas que sempre pensava antes de dormir, até seu subconsciente parar de lutar e conseguir adormecer.
Noite comum, vazia, sem sonhos que seriam lembrados pela manhã.
Acorda cedo, senta na beirada cama e pensa no seu dia comum que viria. Uma vida estável. Uma vida "feliz".
Ia até o banheiro, se lavava, escova os dentes se observando no espelho.
Ia em direção ao quarto, lia um livro, ou ficava apenas deitada olhando para o teto um pouco mais de luminosidade. Sentia ansiedade. Uma vontade de fazer algoque não sabio ao certo. Colocava músicas no celular pra tocar, músicas com letras bonitas, na maioria falava de amor.
Um amor vazio, um amor no qual não tinha vivído. Começava a viajar em seus pensamentos, ouvindo a música baia ao fundo, já não sabia ao certo qual tocava. Ficava pensando de novo nos seus sonhos e planos. Até que a barreira que ela havia criado de desmanchava diante dos seus olhos. Ela tentava fugir, tarde demais.
Quando deu por si já estava ali, na parte não permitida, onde estava vulnerável, frágil. Ela com sua vida monótona escola, trabalhos, outros compromissos, uma mulher forte, com sua vida planejada e monitorada, se deixando levar por uma barreira inútil e idiota dentro de sua própria mente. Naquela parte havia os seus desejos e anseios mais sombrios, outros nem tão sombrios assim, mas continuavam a ser idiotas e inalcansáveis[?]. Lá era onde estava a vontade de fugir, de gritar, de sentir, de provocar, de ser provocada, de envolver e ser envolvida, de ser desafiada, de sair do seu mundinho previsível.
Na parte mais idiota estava sua vontade de viver um amor, sim, um amor. Desses vazios de canções bonitas e com declarações do tipo "eu te amo". Sonho idiota, sonho vazio.
Ela usava toda a sua força pra remontar a barreira pra sair dali, e voltar ao seu controle, ao seu domínio.
Ela voltara a si. Ouvia a música mais nitidamente. Já identificava qual era, desligava a música, se levantava e saia pra mais um dia comum e planejado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Olhos líquidos - Um texto de Gabito Nunes

Eu não estou perguntando se você quer que eu fique. Estou dizendo que vou ficar e pronto. Certo, não precisa. Eu sei, você não precisa de nada e de ninguém, além de ficar sozinha. Vamos então encarar a coisa desta forma: a casa precisa de mim. Logo o chão estará coberto de lenços de papel, haverá sobras de chá de cidreira espalhadas por todo apartamento e o controle remoto da sua t
elevisão vai estar lambuzado de Nutella, especialmente a tecla que libera a dublagem de O Diário de Bridget Jones. Não vou deixar você fazer isso, nem transformar seu lar num cativeiro e tampouco você assistir essa lenga-lenga pela milésima vez, pela milésima vez por causa de um idiota, pela milésima em mau português.

Não esquenta, eu vim preparado, não vou precisar ir até em casa arrumar minhas coisas. Já está tudo comigo nesta mochila que eu organizei quando você me disse que estava saindo com aquele cretino. Sim, sim, eu já sabia da fama, apenas não quis cortar seu barato, você estava tão animadinha e mi…

Porque ninguém vai fazer por você o que você devia ter feito.

Curtam a página do blog no facebook (:

Eu escrevo pra você todos os dias, mas nunca acho que estão bons pra postar. Como sempre venho aqui e falo um pouco do que se passa dentro de mim. Na realidade, não ando muito satisfeita comigo, pois tem coisas que quero resolver e vejo que simplesmente ainda não posso, por que tudo exige tempo. Esperar, essa é uma palavra que realmente não gosto. Esperar faz sentir saudade, e também incapacidade de não poder resolver algo. Eu pensava que nesse ano, nessa mesma época eu estaria fazendo outros tipos de coisas, resolvendo muitas coisas na minha vida que agora vejo que não posso resolvê-las. Não estou triste, não mais como antes. Eu ainda tenho esperanças de que ainda vou conseguir resolver tudo que quero resolver, mas ainda não posso. Preciso ter paciência. É incrível como pra mim nada, nunca acontece de cara. Tudo, absolutamente tudo eu preciso esperar. Ou quando acontece o que eu quero, cinco minutos depois vejo que vi de uma maneira errada…

"Aponta pra fé e rema."

Tudo o que faço é na esperança de um dia ver que tudo deu certo. Mesmo com muitas coisas dizendo que não, ignoro todas essas vozes e tenho feito a minha parte. Estou olhando pra coisas novas, coisas que me farão crescer. Estou com um novo horizonte, estou com um novo foco, com um novo objetivo. Estou tentando me encontrar, e aos poucos vejo que estou conseguindo. Está na hora de caminhar, está na hora de seguir sem medo. Deixei meus medos, tristezas e rancores para trás. Peguei minhas esperanças, sonhos e coragem, respirei fundo, apontei para o alvo e segui. Segui e continuo seguindo e o alvo agora é ser feliz.

"Ainda bem que sempre existe outro dia. E outros sonhos. E outros risos. E outras pessoas. E outras coisas." Clarice L.