9.9.10

Não dá pra morrer de amor


"vai dizer que você não me amou, que você não me desejou uma noite se quer, diz pra mim. vai dizer que você não pensou em mim sentado no banco daquela praça limpando os olhos dizendo que um cisco havia entrado nos seus olhos, diz pra mim. vai dizer que eu não fui o teu amor mais sincero, o teu esperar nessas noites fria, diz pra mim. vai dizer que não quis me matar quando fiz a burrada de te trocar por outro por medo, diz pra mim.
sentado aqui no banco da mesma praça, colocando o livro do meu lado, limpando meus olhos, levando minha mão até meu coração, seguro o choro. dá tua mão pra mim, coloca aqui no meu peito, sente os batimentos, sente o desespero. eu que tinha medo te perder dia por dia, acabei te perdendo para sempre, eu que nem amo ninguém, fico com o coração cheio desse amor que tem nome e sobrenome. meu coração se agita quando você me olha assim, eu que achei que você era tudo que eu tinha.
o mundo é cruel e não dá pra morrer de amor aos 17 anos de idade, nem aos 20 anos de idade, nem aos 23 anos de idade, porque amar não tem idade, não tem cor, é preto no branco, na lata, quando vê é amor, amor demais pra experiência de menos, e sabe que a merda disso tudo é que eu não consigo parar de te amar, de te querer."

- Douglas Lenon

#texto e imagem do blog eu te toco também .

Nenhum comentário:

Postar um comentário