21.8.11

Á prova de amor.


(...)

Alô cara bacaninha que não usa meia esporte com calça social, não fala "trampo" e paga a conta inteira, com pinta de rapaz direito e cara de quem não matou ninguém, escuta aqui. Já fiz teu retrato falado. Para de rondar minha casa. Não invade meu espaço. Eu chamo a polícia, viu? Seu delegado, tem um bacana aqui ameaçando minha rotina. Nem minha mãe me dá atenção e carinho, quem é tu pra me oferecer esses engodos aí? Pó-pa-rá. Sem esses xién-xién-xién, que enquanto eu tiver dedo e leite moça ninguém me tira do sério, entendeu? Me ouviu? Hein? Me responde. Taí ainda? Fala alguma coisa, pomba vida. Começou mal, odeio quando não me respondem. Ãi guri, que raiva! Cadê o plug dessa escada de incêndio? Me tira do vácuo. Tá escuro aqui, moço...

Ele acreditou.

Tantas madrugadas assistindo os mais repetidos filmes fizeram de você uma perita no assunto. Então o Oscar vai pra você. A atuação mais convincente como coadjuvante em "À Prova de Amor". E olha que nem da crase você abre mão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário