2.9.11

Que de dane.


Depois me perguntam porque eu sempre desisto... É porque eu não tenho condições físicas e nem psicológicas pra aguentar todas essa avalanche que vem em minha direção.
Quando tudo parece bem, as coisas logo viram de cabeça pra baixo. Me desculpe, mas eu não tenho pena de ninguém nessa situação, só tenho consideração a mim mesma, e na verdade sou a única que tem. Não é possível só eu enxergar tudo isso que acontece, é algo inacreditável... as pessoas simplesmente surtam e acham que sou um monstro, que sou a pior pessoa do mundo.
Eu já me importei muito com essa situação, e não vou mais, eu não quero isso pra minha vida. O meu orgulho já foi atingido o suficiente, o meu amor próprio nem se fala. Eu tenho o direito de viver a minha vida, de ter os meus amigos, tenho o direito de ao menos chorar na minha própria casa. Eu não vou entrar nessa depressão de novo. Por favor, todos vocês que enchem o meu saco, vão tomar conta da vida de vocês, porque da minha já tem gente o suficiente. Eu preciso do meu espaço, pelo menos um pouco. Eu vou tomar conta das minhas coisas e fazer o que eu quero e o que eu gosto, já cansei de fazer o melhor pros outros, vou fazer o que é conveniente a mim, porque se ninguém faz isso, eu terei que fazer. Não vejo a hora disso acabar.
DANEM-SE TODOS VOCÊS.

"Cuspiu no prato que raspou
Duvidou que um dia fosse mudar de idéia
Não preparou, se mandou, evaporou
Espatifou o prato na parede
E eu catando os cacos pra tentar colar depois
Mas depois não vou que não tem
Não vou que não tem, nem vai que não tô..."

Jay Vaquer - Assim, de repente

Nenhum comentário:

Postar um comentário